Quarta-feira, 2 de agosto de 2017, o sacerdote suíço, Padre Martin Filipponi, deu seu testemunho no Festival dos Jovens. Ele foi ordenado sacerdote no dia 13 de maio deste ano, e sua vocação é fruto de Mediugórie. Padre Martin falou aos jovens sobre as Confissões em Mediugórie:

 

“Tudo começou quando eu vim aqui em 1996, e já o próprio vôo era uma aventura. Então, eu não sabia nada sobre oração e Adoração, e o Terço eu tinha visto apenas nas mãos de uma senhora idosa. Uma vez lá, fui apresentado à oração do Rosário e à Adoração Eucarística. Um dia de peregrinação, entrei na Capela, orgulhoso, jovem e desportivo como eu era. Ao ver as mulheres mais velhas de joelhos, pensei: “Aquilo que elas fazem, eu também posso fazer!”. Assim, caí de joelhos diante do Senhor. Depois de apenas cinco minutos, no entanto, eu já estava sentado. Isso foi uma bela humilhação para mim, já que as senhoras mais velhas ainda continuavam de joelhos. Aí algo aconteceu! Frchei os olhos diante do Senhor e mergulhei em oração. Essa foi a primeira vez que Deus tocou meu coração, e foi um momento muito lindo e sublime! No final, pensei que tinha passado uma hora, e em vez disso já tinham transcorrido três horas! Naquele dia, saindo da capela, senti, pela primeira vez, o desejo de me tornar sacerdote. Naquele tempo, no entanto, eu tinha dezesseis anos: uma idade em que se sente muito o influxo dos hormônios. Naquele momento, vi passar uma linda garota irlandesa, com belos cabelos vermelhos, e veio-me o pensamento: preferiria casar-me e ter sete filhos.

Minha próxima peregrinação aconteceu no Festival dos Jovens. No ônibus, rezavam o Rosário, mas eu estava usando o fone de ouvido, porque não queria rezar. Naquela viagem, eu realmente tive uma boa experiência, pois, depois do Festival dos Jovens, em Mediugórie, a primavera chegou ao meu coração: senti um rejuvenescer e uma alegria na fé que nunca havia experimentado antes. Ao voltar para casa, fui me confessar com um sacerdote jovem. Hoje sou muito agradecido porque, por meio dele, fiz a minha primeira experiência de Confissão. No entanto, quando fui para abrir-me ao sacerdote, eu não estava muito feliz. Falei-lhe que queria confessar-me, e isso era muito simples. Porém, quando ele me deu a absolvição, senti no meu coração uma doçura enorme e fui invadido pela alegria. Minha primeira experiência de Confissão, então, foi algo indescritível! Caros jovens, aqui em Mediugórie confessei-me novamente. Às vezes, eu devia esperar minha vez, até três horas, porque aqui se percebe algo que não se sente em nenhum outro lugar. Na Suíça, antes de me tornar padre, também trabalhei na área de oncologia e cuidados paliativos, ou seja, com pacientes cancerosos de tumores crônicos, próximos da morte. Nós lhes administrávamos muitos medicamentos, mas, depois, vinha um sacerdote  para dar-lhes a Unção dos Enfermos. Muitas vezes, ficaram irreconhecíveis,  porque melhoravam física e espiritualmente. Minha vocação ao sacerdócio também amadureceu por este motivo.

 Em 31 de outubro de 2009, ou seja, cerca de quatorze anos depois de ter percebido aqui o primeiro desejo de se tornar padre, em um mosteiro austríaco, consegui dizer o meu SIM a Deus. Naquela manhã, vi quem é, realmente, o sacerdote. Nesse mosteiro, além de Nossa Senhora, da Confissão, da Adoração e do Rosário, havia algo de novo para mim: a Bíblia. Pude aprender a apreciar a Palavra de Deus.

Volto novamente ao assunto da Confissão: no Seminário, todos os sábados, vinha um confessor que, às vezes, ficava no confessionário, das oito da manhã às duas ou às três horas da tarde. Sabem de uma coisa? Também o sacerdote aprende a confessar, não nos livros, mas colocando-se de joelhos. O que faz a Confissão numa pessoa, num jovem seminarista? A confissão é realmente um Sacramento de cura. Como eu, muitos dos meus outros companheiros de Seminário eram “vocações tardias”, muitas vezes marcadas por feridas e experiências negativas passadas. Na Confissão, no entanto, pode-se realmente fazer a experiência da cura e libertação que vêm de Deus “.

Padre Martin concluiu o seu testemunho convidando os jovens a rezar pelos sacerdotes.

 

Fonte: www.medjugorje.hr/it/